sábado, 30 de março de 2013

PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO - PRT

O Programa de Regionalização do Turismo é um modelo de Gestão Descentralizada e Participativa, lançado em abril de 2004. Pretende alinhar a política nacional de turismo com as políticas estaduais e municipais. Estimulando, desta forma, o incremento da competitividade nos destinos promovendo a cooperação e integração entre os municípios.
É um programa estruturante do MTur para promover o desenvolvimento turístico sustentável de forma regionalizada no Brasil. Traduz um modelo de gestão coordenada, integrada e descentralizada de política pública para diversificar, ampliar e estruturar a oferta turística brasileira. A Regionalização visa o planejamento, gestão, promoção e comercialização integrada e compartilhada dos municípios que compõem a região turística.
Na prática significa que municípios juntos, trabalhando de forma integrada e articulada, podem conseguir muito mais do que cada um em separado.


INSTÂNCIA DE GOVERNANÇA

INSTÂNCIA
Instâncias – níveis hierárquicos, nível de poder, esferas de poder.

GOVERNANÇA
Governança – ato de governar de maneira participativa e descentralizada, contando, além do setor público, também com a iniciativa privada e o terceiro setor.
         Organização social que se constitui em espaço de articulação dos atores sociais e de proposição, análise e monitoramento de políticas, planos e projetos na área do turismo sustentável.
         O Programa de Regionalização do Turismo considera as Instâncias responsáveis pela definição de prioridades; pela coordenação das decisões a serem tomadas; pelo planejamento e execução do processo de desenvolvimento do turismo na região.
         Devem participar, também, nas decisões políticas, econômicas e sociais no seu território de abrangência.
          Responsável pelas ações do Programa de Regionalização do Turismo como parceira do Estado em todos os níveis/ instâncias, conforme figura a seguir


          Sua finalidade é a articulação e o fomento do desenvolvimento regional do Turismo.
          As Instâncias foram criadas para auxiliar a operacionalização do Plano de Regionalização do Turismo.
         Tem por objetivo coordenar o Programa de Regionalização e cada ação é definida de acordo com os módulos disponibilizados pelo Ministério do Turismo.


INSTÂNCIA DE GOVERNANÇA DA GRANDE FLORIANÓPOLIS



          A Instância de Governança da Grande Florianópolis/IGF, associação sem fitos econômicos, é a entidade jurídica que dá corpo a Coordenação Regional do Programa de Regionalização do Turismo do Ministério do Turismo/ MTur na Grande Florianópolis.

OBJETIVO GERAL
Coordenar o Programa de Regionalização do Turismo em âmbito regional decidindo e conduzindo seu desenvolvimento.

MISSÃO
Fomentar o Turismo Sustentável na Grande Florianópolis, através da articulação entre os setores público, privado e terceiro setor.


Mais informações:















sexta-feira, 29 de março de 2013

Páscoa


A Páscoa é um ritual de passagem. Como a 'passagem' de Cristo, da morte para a vida, na ressurreição.

Que possamos passar de uma atitude acomodada, reativa, à de ir em busca de oportunidades, pró-ativa.

Do maior cuidado para consigo, em decorrência, para com o outro.

Uma maior procura pelo conhecimento, e principalmente, por compartilhá-lo.

Que os sabores da vida não se restrinjam aos chocolates, mas a todos os que puderem fazer um afago na alma.

Da consciência de nossas habilidades e da melhor maneira de utilizá-las.

E que, conhecedores de que temos uma 'missão', possamos pô-la em prática.


Por fim, que possamos ter Coragem, Serenidade e Sabedoria...

"Coragem para mudar o que pode ser mudado;
Serenidade para aceitar o que não pode ser mudado e
Sabedoria para distinguir uma coisa da outra[1]"















[1] Há uma dúvida com relação ao verdadeiro autor, do que muitos dizem ser a Oração da Serenidade. Já a li como sendo de Santo Agostinho, pesquisando descobri um teólogo protestante, Reinhold Niebuhr (1892-1971), que atribui a si a autoria, e outros dizem que pode ter sido escrita pelo filósofo romano Boecio(480-524).


quinta-feira, 28 de março de 2013

Tijucas

Terra de boas energias
13 de junho de 1860


O município de Tijucas, distante 50 km da capital Florianópolis, tem cerca de 30 mil habitantes e possui uma área de 278,91km². Seu nome é herança dos índios Carijó, por chamarem o vale por onde o rio Tijucas passa de "Ty"-"iuc", cujo significado é lama, brejo[1].
  
Foto: Renato Müller

Esta ‘lama’, que acabou por batizar Tijucas, é tão somente o excesso de sedimentos que acaba inviabilizando o uso de suas praias para banho
[2].

Tijucas teve grande desenvolvimento econômico no século passado, sendo o comércio a agricultura e a indústria a base de sua economia.
Tijucas vive principalmente da plantação de cana-de-açúcar e da cerâmica, cuja empresa Cerâmica Porto Belo é sua grande referência. Tendo na diversidade cultural um forte apelo turístico[3].
Graças ao empenho de duas famílias tijuquenses a comunidade ganhou um Instituto e um Museu, que hoje servem como atrativo turístico para a região.

Instituto Mathilde Bayer
Casarão Bayer
Inauguração 13 de junho de 2003

Foto: Renato Müller

 O Instituto Mathilde Bayer busca, além de preservar o nome e a tradição da família, oferecer suporte ao desenvolvimento sócio-econômico dos moradores do Vale do Rio Tijucas.


 Museu de Tijucas
Casarão Gallotti
Inauguração 07 de maio de 2012
Foto: Renato Müller

 O Museu de Tijucas, implantado a partir do edital “Mais Museus” do Ministério da Cultura, MinC, conta com um museólogo contratado através de concurso público.

O Museólogo Tiago Lessa de Miranda  diz que “...o Museu será composto por salas temáticas, onde estarão expostos objetos, fotos, móveis e outros materiais que resgatam aspectos como: Território, Gente da Terra, Lazeres e Sociabilidades, Celebrações e Tradições e Saberes e Sabores. Já em homenagem à família estão sendo montados os espaços: ‘Benjamin Gallotti’, ‘Entra, a Casa é tua’ e ‘Casarão Restaurado’[4]”.

Que Tiago possa continuar o belíssimo trabalho que vem desenvolvendo. Nada melhor do que contar com profissionais qualificados e competentes. Tijucas e turistas só têm a ganhar.

Cine Theatro Manoel Cruz   
24 de janeiro de 1926
Foto: Renato Müller.


Foto: Renato Müller


Foto: Renato Müller

Agora é torcer para que o antigo Cine Theatro Manoel Cruz, inaugurado por Manoel Miranda da Cruz Sobrinho, tenha a mesma sorte. A edificação é linda, mas está caindo, conforme mostram as fotos acima.
A preocupação com a preservação do Cine Theatro é antiga, tanto que, em 1998 foi tombado como Patrimônio Histórico de Santa Catarina. Contudo, até agora, pouco se tem feito para efetivamente preservá-lo. Em menos de dois meses, no fim de 2012, ele sofreu dois incêndios. O primeiro, em uma das escadas que dá acesso ao segundo andar[5], e o segundo, quando andarilhos atearam fogo no casarão[6]. Em ambas as ocasiões o pronto atendimento dos bombeiros evitou um mal maior. Outra forma de degradação é pela infiltração de água em decorrência do destelhamento. Sem contar que a ocupação por grupos de andarilhos coloca em risco, não só a edificação, mas a própria comunidade.






                                                       www.ijz.org.br








[1] Dell’Antonio, Lino João. Nomes indígenas dos municípios catarinenses: significado e origem. Blumenau: Odorizzi, 2009.
[2] Silva, Eunice Assini da. Conhecendo Santa Catarina: opções turísticas. Itajaí: Editora da Univali, 2000.
[3] Guia de Atrações e Empreendimentos Turísticos de Santa Catarina. Florianópolis: SEBRAE, 2001.
[4] http://www.tijucas.sc.gov.br/noticias/25-04-2012/Museu-de-Tijucas-sera-inaugurado-dia-4
[5] http://ndonline.com.br/tijucas/noticias/20649-casarao-do-cine-teatro-agoniza-em-tijucas.html
[6] http://ndonline.com.br/tijucas/noticias/21991-andarilhos-ateiam-fogo-em-casarao-historico.html

domingo, 24 de março de 2013

MOFBB - Livestream

Para quem aprecia boa música, excelente composição, lindos arranjos e uma voz melodiosa, esta é uma ótima oportunidade. Em MOFBB - Livestream o cantor e compositor Carlos Abiel apresenta seu pocket virtual com as músicas de seu primeiro álbum MOFBB.






Aos curiosos que ainda não sabem, a sigla MOFBB surgiu de uma desilusão. Ao apresentar-se em um evento de dança, Carlos Abiel teve sua coreografia questionada por um dos jurados que não conseguia classificá-la. Nem moderna, nem contemporânea, nem jazz... "Nem N A D A!" Pensou alucinado o então bailarino e coreógrafo Carlos Abiel. E fez a pergunta que não queria calar. "Que estilo é então?" O jurado pôs-se a pensar e disse, me parece que deveria ser mais orgânico. Depois do susto, só lhe restava o bom humor. Como o movimento era orgânico, que lhe remeteu a plantas que fazem fotossíntese, que fazem parte do meio ambiente, que exigem cuidados e produtos biodegradáveis e, que precisam da persistência do brasileiro. UFA!!! Saiu... Se não um movimento, no estilo que o coreógrafo queria, mas um movimento musical surgido do chacoalhão que ele levou. E foi bom, muito bom. Ganhamos nós com este estilo 'orgânico" de ser. Há uma única coisa que ainda ficou indefinida. Será ele um bailarino, cantor, um coreógrafo, compositor? Não. Simplesmente um artista. Grande artista. Se não pelo tamanho, pelo talento imenso que possui.
















quinta-feira, 21 de março de 2013

Sobre Gansos e Equipes

Foto: Renato Müller


"Você sabe por que gansos, quando voam, sempre estabelecem uma formação “V”?


Vamos a algumas descobertas da ciência:

1.   A medida em que cada ave bate suas asas, ela cria uma área de sustentação para  a ave seguinte. Voando em formação “V”, o grupo inteiro consegue voar, pelo menos 71% a mais do que se cada ave voasse isoladamente.

Pessoas que compartilham uma direção comum e um senso de equipe atingem resultados muito mais rápidos e facilmente.

2.   Quando o ganso líder se cansa, ele vai para a parte de trás do “V”, enquanto um outro ganso assume a ponta.

O revezamento de esforços permite avançarmos mais facilmente nas tarefas árduas.

3.   Os gansos de trás grasnam para encorajar os da frente a manterem o ritmo e a velocidade.

Incentivo e estímulo são fundamentais quando queremos manter ou melhorar o ritmo e a velocidade em nossas empreitadas.

4.   Quando um ganso adoece ou se fere e deixa o grupo, dois outros gansos saem da formação para ajudá-lo e protegê-lo. Eles o acompanham até que suas condições melhorem e, então, os três reiniciam a jornada, juntando-se à outra formação, até encontrar o grupo original.


GANSOS,
uma metáfora onde a solidariedade nas dificuldades
é fundamental para o sucesso da jornada".


Autor Desconhecido.











segunda-feira, 18 de março de 2013

5ª Osterfest - Festival de Páscoa, Pomerode/ SC - 2013



Pomerode é uma encantadora cidade de cerca de vinte e oito mil habitantes. Situa-se no Médio Vale do Rio Itajaí-Açú. Impressiona pela decoração de suas casas e jardins, pela limpeza e pela educação de seu povo. Busca preservar ao máximo as tradições alemãs em todas as suas manifestações, em especial sua gastronomia. E a Páscoa é uma excelente época para se visitar a cidade. Além de todos os atrativos que se pode conhecer durante o ano, na Oesterfest, pode-se conhecer a Osterbaum, uma linda árvore enfeitada de ovinhos e que fica na frente do Centro Cultural de Pomerode. Com quinze metros de comprimento e cerca de quinze mil casquinhas de ovos coloridos ela é maravilhosa!

OSTERBAUM

Foto: Renato Müller

Passear por Pomerode foi colorido, há várias pequenas árvores de ovinhos espalhadas pela cidade. Casas são enfeitadas para entrar no clima da festa. E a Osterfest, propriamente dita, atravessa a cidade até chegar ao Centro Cultural. Lá nos deparamos com uma infinidade de produtos que nos remetem ao Coelho, ao colorido e ao perfume dos chocolates e bolachas decoradas. Difícil sair de lá de mãos abanando. Tamanha a oferta de toalhas, guirlandas, velas, coelhos, tortas e doces. E a festa continua até o dia 30 de março. Quem quiser ainda tem tempo para aproveitar.


Foto: Renato Müller.

Para ter maiores informações a cerca da Osterfest e de Pomerode vale dar uma olhada no site da cidade. A cidade, independente da festa, vale uma visita, mas a Osterfest torna o convite praticamente irresistível!














quarta-feira, 13 de março de 2013

Cachoeira do Retiro - Santo Amaro da Imperatriz/ SC


A Cachoeira do Retiro fica na cidade de Santo Amaro da Imperatriz e apesar de ser chamada de CACHOEIRA, ela não possui uma queda d’água com grande altura, que possa encantar por sua beleza cênica e imponência. No entanto, este local possui três piscinas naturais que possibilitam ao aventureiro, um banho de rio, com água limpa, fria e (geralmente) cristalina.
As pessoas que desejarem conhecer este lugar precisam caminhar por cerca de uma hora, alternando subidas e descidas, por meio de uma vegetação relativamente conservada. Para chegar às piscinas naturais é necessário atravessar o leito do rio, sendo que o nível da água, geralmente, não ultrapassa a cintura de uma pessoa adulta de estatura mediana. A travessia é feita com tranquilidade, pois o rio não possui correnteza forte. Após a travessia deste rio, há um trecho de subida íngreme que é percorrido em cerca de cinco minutos. Lembro que nosso ritmo é feito de forma lenta e sempre que se julgar necessária uma parada para descanso, ela será feita. Não se trata de uma disputa para saber quem chega mais rápido, mas de um passeio de lazer onde o grupo deve permanecer junto.
O fim do percurso, onde estão as três piscinas naturais, fica em área de mata quase que totalmente fechada, onde o sol se faz presente somente no horário próximo ao meio dia (horário solar), sendo assim, a permanência no local por muitas horas, fica inviável, pois o banho de rio em água fria, sem que se possa esquentar ao sol, não é muito agradável.
A participação de qualquer pessoa nesta caminhada implica em responsabilidades, assim sendo, TODOS devem ter a consciência de que seu comportamento nesta caminhada não pode por em risco a integridade e a segurança de qualquer outra pessoa do grupo ou a si próprio. Cabe ao (s) organizador (es), tomar qualquer decisão para manter a ordem e que venha a garantir a segurança das pessoas envolvidas nesta caminhada.

Lembre-se que na natureza:
nada se tira a não ser fotografias;
nada se deixa a não ser pegadas;
nada se leva a não ser lembranças;
nada se queima a não ser calorias;
nada se mata a não ser o tempo.

Espero que gostem do local e que o dia seja agradável!
Atenciosamente: Renato Müller











sexta-feira, 8 de março de 2013

MULHER É...




Mulher é mãe
Foi menina
Algumas são Maria’s
E muitas são meigas

Mas mulher também poderia ser felicidade
Poderia ter outro nome qualquer
Pode ser abrigo que sempre será
A primeira segurança de um homem qualquer

E mulher poderia ser um cisne
Em algumas horas ela poderia ser leoa
Noutras é apenas uma brisa
Muitas vezes é uma águia que voa

Dizem que mulher já foi costela
O que eu nunca acreditei
Só se dela retiraram o ser
Do qual nos fizeram, mas isto eu não sei...

Mário Feijó
08.03.13





www.ijz.org.br






quinta-feira, 7 de março de 2013

2ª Caminhada para a Cachoeira do Retiro


Foto: Renato Müller.



Data: 16 de março de 2013 (a confirmar).
Saída: 9:30hs
Local: Beira Mar Norte, junto à arvore de natal e trapiche.
Destino: Cachoeira do Retiro – Santo Amaro da Imperatriz.
Tempo estimado de caminhada (ida): cerca de uma hora e trinta minutos.
O que levar: mochila, repelente, protetor solar, garrafa com água, suco ou outra bebida, lanche (chocolate, energéticos, sanduíche, frutas, bolachas...)
Atrativo: três piscinas naturais com águas limpas e frias.
Nível de dificuldade: fácil.
Descrição da caminhada: a maior parte do percurso é feita por entre a mata, cruzando córregos e atravessando um rio. O trajeto possui um único trecho de subida íngreme, logo após um breve descanso, a beira do rio que atravessaremos. No mais, as subidas, são menos íngremes e se alternam com pequenas descidas. Não há necessidade, em nenhum momento, de se fazer uso de equipamentos de escalada, como cordas, mosquetões e cadeirinhas. Esta trilha é percorrida a pé, caminhando, caminhando e caminhando. O local de banho, nas três piscinas naturais, ao final do percurso, fica em meio á mata, com possibilidade de usufruto de sombra e muita água fresca. O trajeto da volta é feito em menor tempo, já que a maior parte do percurso é de descida. Existem duas bifurcações no trajeto, por isso, é necessário conhecer o caminho e esperar os demais participantes e pelas pessoas que conduzirão o grupo. Aconselha-se que durante a caminhada seja feita com calça de agasalho comprida, pois em alguns trechos, a mata semi-fechada, pode ter galhos que arranhem as pernas dos caminhantes.

Horário de volta: saída da cachoeira, por volta das 15 ou 16 horas.
Chegada no centro da cidade: dependerá do movimento das rodovias.
Guia responsável: Renato Müller

OBSERVAÇÂO: não se trata de um passeio comercial, mas de um momento de lazer onde cada um dos participantes deverá seguir as determinações do guia e se comportar de forma responsável, sem colocar em risco, a sua própria vida ou de qualquer outra pessoa.

Na BR 101, os carros precisam pagar pedágio, na altura da cidade de Palhoça (ida e volta), além disso, para entrar no terreno que dá acesso, o proprietário cobra R$ 10,00 por pessoa. É neste local que os carros ficam estacionados e que iniciamos a caminhada que leva cerca de 1h30min.

Dúvidas ou outras informações com Renato (47) 9998-9742 ou pelo e-mail renato@ijz.org.br.