terça-feira, 28 de agosto de 2012

Reunião


Estivemos hoje em São Pedro de Alcântara, eu e o Renato, como representantes do Instituto Juazeiro/ IJz, para mais uma reunião da Instância de Governança da Grande Florianópolis/ IGF. Infelizmente estávamos em poucos, época que antecede eleições e com grande parte dos integrantes da IGF pertencendo ao poder público dá nisso.

                        Foto: Renato Müller.
Da esquerda para a direita: Fernanda - Presidente da IGF, Vitor - Diretor de Turismo de Biguaçu, 
Ana - Presidente do IJz, Aline - Diretora de Turismo de São Pedro de Alcântara e 
Luiz - Secretário de Turismo de Santo Amaro da Imperatriz.


Aproveitei e li um poema cuja idéia foi do Renato e eu o auxiliei em algumas partes. Como ele é muito criativo tratou de colocar de maneira envolvente os atrativos dos municípios que estão participando da IGF atualmente. Todos gostaram e deram várias idéias para utilizarmos institucionalmente o texto. Em breve o disponibilizaremos. A reunião foi em São Pedro de Alcântara, primeira colônia alemã do estado. É uma cidade encantadora, mas haviam tantas placas de propaganda eleitoral, tirou um pouco de seu charme e beleza. Espero que tão logo termine a eleição e as placas sejam retiradas. A poluição visual tira a beleza das casas bem cuidadas e de seus jardins floridos.


Ana Speck.







sábado, 25 de agosto de 2012

E tudo tem seu começo



E tudo tem seu começo, ainda que não saibamos ao certo qual seja. Comento isto porque até hoje não se sabe de onde surgiu o “Juazeiro” que dá origem ao nosso nome. Suponho que tenha sido coisa do meu bisavô. Afinal, a primeira associação ao qual ele se filiou, convidado por amigos, e da qual tornou-se o primeiro presidente também tinha nome de árvore. Em homenagem a uma figueira, o Figueirense Futebol Clube¹. Isto em 1921. Ele parecia gostar muito de associações e de trabalho em grupo, tanto que em 1945 fundou a Federação Espírita Catarinense e foi seu 1º vice-secretário. Já em 1948, junto a um grupo de amigos, que tanto quanto ele gostavam das manifestações culturais da ilha, fundou a Sociedade Carnavalesca Granadeiros da Ilha. Entre estes amigos haviam grandes nomes da nossa “cultura”, como Acary Margarida, Davi Gevaerd, Franklin Cascaes e João Cheiroso². Nos galpões da Granadeiros conviviam os filhos e depois os netos de João dos Passos Xavier. Tanto que, até hoje, seus familiares remontam os carros que outrora levaram centenas de pessoas para acompanhar o desfile ao redor da Praça XV de Novembro.

Granadeiros da Ilha – Carro da Rainha/ 1962

Um de seus netos, o folclorista e artista plástico Júlio Xavier, cresceu apreciando a movimentação de marceneiros, aderecistas, artistas plásticos, músicos, costureiras e uma infinidade de profissionais que participavam animadamente da preparação dos carros. Claro que o ponto alto eram os carros de mutação, aqueles que durante o desfile iam se abrindo, soltando fumaça, subindo, se alargando, enfim, se transformando. Ouvi a história de que um dos mais bonitos carros foi o que esticou uma passarela até a janela do Palácio Cruz e Souza, ainda ocupado pelo governador, e de dentro saiu um menino que entregou uma linda rosa vermelha à primeira dama. Creio que o amor e a dedicação com que tantos profissionais cuidavam do carnaval e dos carros tenha deixado marcas profundas em meu tio, Júlio Xavier. Ele sempre buscou preservar, assim como o avô, João dos Passos Xavier, algumas manifestações artísticas, tais como: Terno de Reis, Pau de Fitas, Boi-de-Mamão³. E então na década de 80 resolveu, junto com outros artistas, montar a Sociedade Folclórica Boi-de-Mamão Juazeiro. Ele diz que, quando criança já presenciava apresentações de um Boi-de-Mamão que tinha inclusive girafa, e já batizado como Juazeiro. Ele também não sabe explicar o porquê de o Boi-de-Mamão que ele fazia ter toques africanos. Herança de alguém que, com toda certeza, apreciava as artes e as árvores.





[1] Para saber mais vá ao site do Figueirense: http://www.figueirense.com.br/o-clube/historia.
[2] Interessante conferir a reportagem: http://www.clicrbs.com.br/pdf/10237262.pdf.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Música



"La musica es el arte mas directa, entra por el oído y va al corazón"
Magdalena Martínez/ flautista.





www.ijz.org.br

Dança

Ana Speck


"E que seja perdido o único dia em que não se dançou".
       Friedrich Nietzsche.